DesportoEconomiaEducaçãoNazaréSociedade

Local

Emanuel Tomaz, retrato de um treinador de sucesso “É proibido sonhar” Quando começou a jogar ténis e  que resultados alcançou?Comecei a jogar ténis aos 7 anos no “velhinho” clube de ténis do Estoril. Em Portugal fui campeão regional de iniciados, infantis, cadetes, vice-campeão regional de júniores, bi-campeão regional de seniores, e campeão nacional da 3ª …

Emanuel Tomaz, retrato de um treinador de sucesso

“É proibido sonhar”

Quando começou a jogar ténis e  que resultados alcançou?Comecei a jogar ténis aos 7 anos no “velhinho” clube de ténis do Estoril. Em Portugal fui campeão regional de iniciados, infantis, cadetes, vice-campeão regional de júniores, bi-campeão regional de seniores, e campeão nacional da 3ª divisão em séniores. A nível internacional fui tri-campeão cantonal de seniores na Suíça, campeão estadual de clubes no Brasil, vice-campeão regional por equipas em Inglaterra e campeão regional e vice- campeão nacional por equipas na Finlândia.
Qual o curriculum como treinador? Estou ligado ao ensino do ténis desde 1979 tendo leccionado em países como: Suíça, Inglaterra, Brasil e Finlândia. Tenho os seguintes cursos: Nível 1 da Federação Portuguesa de Ténis, Nível 4 do Registro Professional de Ténis (maior associação de ténis da Europa), nível 4 do International Registry of Tennis Professionals, e nível 4 da United States Professional Tennis Association (maior associação de ténis do mundo), estando diplomado com o mais elevado estatuto: Professional 1 e Professional Tennis Director.
Quais são os objectivos a curto médio e longo prazo?– Os Objectivos a curto prazo são a estruturação do Clube de Ténis da Nazaré, dotando-o de mais dois courts, (um dos quais coberto) e de uma área social (secretaria e bar), indispensável para o crescimento e alicerçar do clube de ténis.

Joaquim José Paparrola

Notícia completa na edição impressa


Alberto Madail, acusa forças de virarem costas ao porto
"Fim ao corporativismo”

“EM PORTUGAL os diversos modelos de gestão portuária foram, até ao presente, sempre dirigidos a portos comerciais, ignorando os portos de pesca, criando estruturas orgânicas desajustadas, demasiado pesadas, centralizadas, alheias às questões relacionadas com a actividade piscatória, sem conhecimento de como funciona um porto como o da Nazaré”. A afirmação pertence a Alberto Madaíl Belo, ex-administrador do Instituto Portuário e dos Transportes Marítimos, e foi proferida nas III Jornadas para o Desenvolvimento. O antigo administrador do então denominado Instituto  Portuário do Centro na Nazaré, traçou um panorama negro do sector pesqueiro, atribuindo a responsabilidade da crise que o sector pesqueiro atravessa, à escassez de recursos marinhos, às medidas restritivas emanadas da União Europeia que, segundo a sua opinião, incentiva o abate de embarcações e à pouca atractividade desta actividade junto da mão-de-obra mais jovem.

Notícia completa na edição impressa


Obra do Centro Comunitário entregue à Câmara a 30 de Abril
Projecto social avança

O CENTRO comunitário da Nazaré, situado na zona norte do parque da Pedralva vai ser uma realidade a partir de 30 de Abril, altura em que a obra é dada por concluída e entregue à Câmara. A etapa seguinte daquele projecto é cedência da gestão do espaço à Confraria da Nossa Senhora da Nazaré, que passará a constituir-se como entidade gestora, por ser a instituição que há mais tempo está no terreno e que melhor conhece a realidade social da pobreza nazarena.

 Manuel António Sequeira

Notícia completa na edição impressa

Author: Jornal

Ver mais

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Close
Close