CulturaNazaréPolítica

Alta Autoridade dá razão à Junta da Nazaré

Na sequência da campanha eleitoral para as Autárquicas “A Alta Autoridade para a Comunicação Social, tendo apreciado um recurso da Junta de Freguesia da Nazaré contra a Rádio Nazaré, por ter recusado o exercício do direito de resposta a uma notícia que foi emitida nos três noticiários do dia 29 de Agosto último, e publicada …

Na sequência da campanha eleitoral para as Autárquicas

“A Alta Autoridade para a Comunicação Social, tendo apreciado um recurso da Junta de Freguesia da Nazaré contra a Rádio Nazaré, por ter recusado o exercício do direito de resposta a uma notícia que foi emitida nos três noticiários do dia 29 de Agosto último, e publicada no seu site sob o título “Bloco de Esquerda acusa António Trindade de irregularidades” reconhece a legitimidade do recorrente para exercer o direito invocado, e determina à Rádio Nazaré a difusão da resposta no estreito cumprimento da Lei da Rádio”.

Este é o teor da deliberação tomada por aquele órgão, face a uma exposição apresentada pela Junta de Freguesia da Nazaré, tendo por base a alegada negação parte da Rádio Nazaré do exercício de direito de resposta a acusações de irregularidades formuladas pelo Bloco de Esquerda relativamente aos salários recebidos pelo presidente da Junta, António Trindade. No direito de resposta que a Rádio Nazaré emitiu na última semana por determinação da Alta Autoridade para a Comunicação Social, a Junta de Freguesia da Nazaré para além de manifestar a sua “indignação pela informação falsa sobre a acumulação de salários do presidente” esclarece que “todo o valor auferido, metade do vencimento por imposição legal no exercício das funções de Presidente de Junta, tem sido doado à Junta de Freguesia da Nazaré, desde 2002 a Dezembro de 2004, o que perfaz um valor total de 24.803,60 euros”. “A referida verba tem suportado obras várias que a Junta de Freguesia da Nazaré tem executado e nomeadamente o monumento de homenagem à Mãe Nazarena”, argumenta a Junta na sua resposta datada de 31 de Agosto passado. “A responsabilidade da calúnia é de quem a construiu e lhe deu forma, a sua divulgação sem esclarecimento é da responsabilidade da Rádio Nazaré e do seu Director de Informação” acusa a Junta, para quem “a verdade, nunca é totalmente reposta, quando as pessoas são lesadas nos seus direitos essenciais (o direito ao bom nome) ou quando as motivações são baixas”.

Author: Jornal

Ver mais

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Close
Close