REGIÃO DA NAZARÉ é um jornal regional que defende a divulgação de informação de interesse do concelho da Nazaré e de toda a área circundante.

REGIÃO DA NAZARÉ é um quinzenário de grande informação, orientado por critérios de rigor e criatividade editorial, sem qualquer dependência ideológica, política e económica, ou outras.

REGIÃO DA NAZARÉ recusa o sensacionalismo, apostando numa informação diversificada e abrangendo os mais variados campos de actividade, todos aqueles que correspondam aos interesses da população local.

REGIÃO DA NAZARÉ aposta numa informação diversificada, abrangendo os mais variados campos de actividade e correspondendo às motivações e interesses de um público plural.

REGIÃO DA NAZARÉ estabelece as suas opções editoriais sem que haja lugar a quaisquer hierarquias entre os diferentes sectores de actividade do jornal.

REGIÃO DA NAZARÉ obriga-se a respeitar o sigilo das fontes.

REGIÃO DA NAZARÉ é um projecto editorial profissional, com uma redacção que pauta a sua prática pelo Código Deontológico dos Jornalistas.

REGIÃO DA NAZARÉ considera que a existência de uma opinião pública informada é condição fundamental de uma sociedade aberta, típica de um regime democrático, em que não existem fronteiras entre as populações que envolvem a região onde o Região da Nazaré se inscreve.

REGIÃO DA NAZARÉ participa nos debates que se colocam à população e é responsável perante os leitores, numa relação rigorosa, transparente, autónoma do poder político e da acção de interesses particulares.

REGIÃO DA NAZARÉ pretende ser um veículo de promoção da cultura e da língua portuguesa junto das comunidades portuguesas residentes no estrangeiro, especialmente através da sua edição on-line, tirando proveito dos meios digitais/internet e das redes sociais como meio de excelência na divulgação das notícias junto dos portugueses espalhados pelo mundo e das suas organizações e também de parcerias com outros órgãos de comunicação de emigrantes on-line.

REGIÃO DA NAZARÉ rege-se por todos os aspectos que conduzam à sua própria credibilidade pública.

Nazaré, Abril/2015

Close
Close